31 de jul de 2016

ALÉM DO FIM

Henri Matisse


Um dia, voltaremos ao chão
Ou seguiremos como cinzas
Lançadas ao vento
Não seremos muito
Nem tão pouco
Caberemos no espaço oco
Onde for possível assentar.

Não fará mais sentido
O castigo,
O toque de pirraça,
A mordida,
O brado das vozes perdidas,
O golpe da foice,
A boca ferida.

Além do fim, só restará sentir
A leveza da alma que viaja
Ao encontro do mistério bendito
Que aqui não se vê com clareza
Apenas se advinha
Assim como charada,
Assim como torcida
Num jogo inacabado.    


9 de jul de 2016

MANIFESTO PARA SOLIDÃO

Maurice de Vlaminck


Assim,
Na razão do solitário
O imprescindível
É não formar abrigos
Por medo,
Certeza
Ou descuido
Vara a noite
Sem esperar chamados  
Só o encontro marcado
Com o seu próprio
Veredito. 


3 de jul de 2016

MARES OPOSTOS
 
foto: Márcio Jorge
















Cair
Do ar
     na onda
Do mar
     revolto!
Ser levado
    pelo afago da maré
Voltar aos grãos
    da areia molhada
Como mensagem lançada
                       sem direção.

Cair
Do ar
    na onda
Do mar
     tranquilo!
Ser levado
    pela doce calmaria
Permanecer no azul
    das águas frias
Como o peixe que enfeita
                   as profundezas.