11 de abr de 2009


REINO

poema dedicado a Fernando Pessoa

Coroai-me dessa lua,
Que agora assim
Transborda nua
Acima da volúpia de olhos
(também nus).
Fatal noite de intensa presença
Entorpecentemente a sós
Com a bela lua nua.

E pelas ruas estão os bares
E pelos bares, outras criaturas
Embriagando a alma de seus prazeres
Mas dentro deste quarto tranquilo
Voga a vaga de quem percebe
Que a noite está cheia
Cheia de lua
E isso basta!

3 de abr de 2009

Uber Alves

SOMBRAS

Atrás de mim,
Um espelho
Refletindo aquela sombra
A perseguir aqueles dias...

Na minha frente,
Um profeta
A prever aquele espelho
Preso na porta ao longe
Agora,
Quem com a brisa penetra?
Vem,
Quem?

Oh, sombra indiscreta!