26 de set de 2011



De 11 a 16 de outubro de 2011, haverá muita literatura, música, alegria e prazer na primeira Festa Literária da Bahia. A encantadora cidade de Cachoeira, no recôncavo baiano, será o palco para este grande evento que promete marcar o cenário cultural do estado, devido sua importância artística, econômica  e social. A Flica contará com a presença de autores nacionais e internacionais, como Fernando Morais, Hélio Pólvora, Ana Maria Gonçalves, Liv Sovik, Pedro Mexia e Bob Stein. As mesas de discussão serão realizadas nas dependências da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), principal parceira na realização da Flica 2011. A música também estará presente em todas as noites da festa, com diversas atrações, como a Orkestra Rumpilezz, Percussivo Mundo Novo e a cantora baiana  Clécia Queiroz.  Confira toda a programação no site oficial www.flica2011.com.br . Então, vai perder?
 

6 de set de 2011


O vasto universo de possibilidades da arte cênica e as novas estéticas da expressão teatral estão presentes no 4º Festival Latino Americano de Teatro da Bahia. Durante o festival, o público poderá assistir espetáculos de países como:  México, Colômbia, Chile, Argentina, Uruguai e França. Confira a programação no site www.filte.com.br e bom divertimento!                                                                                                                

Cacerolas/ Grupo Tangolpeando/ Argentina

El Gallo/ Teatro de Ciertos Habitantes/ México
Preferiria, não? / Denise Stoklos/ Brasil

Fragmentos de Libertad/ Varasanta/ Colômbia

4 de jul de 2011

O INFINITO PEDAÇO DE TODAS AS COISAS


Joan Miró

De tanto
Formou-se tudo em tão pouco
Pouco que era tudo
Coube na palma da mão
Então,

Para que o tanto absurdo,
Se o que constrói é apenas um grão?

                                        

30 de mai de 2011

    PAPO DE CINEMA                       

Já faz algum tempo que o cinema argentino me conquistou de um jeito especial, principalmente por causa da delicadeza de suas películas e das interpretações fascinantes de seus atores. Através do drama “Lluvia”, da diretora Paula Hernandéz, pude novamente comprovar a competência dos nossos hermanos no disputado universo da sétima arte.

O filme conta a história de duas pessoas perdidas em seus problemas familiares e que se encontram casualmente em meio a um grande temporal numa avenida movimentada de Buenos Aires. Esse encontro será uma verdadeira descoberta para Alma, personagem vivida pela atriz Valeria Bertuccelli e para Roberto, interpretado pelo ator Ernesto Alterio. Parece uma história banal do cotidiano, mas realmente é, porém transformada pela suavidade de olhares, gestos e palavras cheias de forte emoção. A identificação com as angustias apresentadas pelos protagonistas ocorrerá de forma natural por quem assiste, pois provavelmente já deixamos ou já pensamos em deixar alguma coisa para trás em algum momento da nossa existência.

A trilha sonora também é interessante e a fotografia é sublime, encantando sobretudo pela sutileza e harmonia estética das imagens. Ao ver o trabalho da Hernandéz, devo confessar que senti saudade da capital argentina e dos bons momentos que passei por lá, embora o meu sentimento maior fosse de contentamento por mais uma vez encontrar uma produção de alta qualidade no cinema sul-americano. Sei que a sensação provocada por um filme é relativa, pois irá depender sempre do momento e da sensibilidade de cada pessoa, no entanto, assistir o longa “Lluvia” foi uma surpresa tão cativante, que não saberia descrever a imensa alegria que me acompanhou ao sair do cinema e permaneceu no meu encalço até altas horas da noite.

Ficha Técnica

Título: Lluvia

Ano: 2008
País: Argentina
Gênero: Drama
Direção e Roteiro: Paula Hernández
Elenco: Ernesto Alterio, Valeria Bertuccelli
Duração: 110 min.

22 de abr de 2011

ENCONTRO

para Hilda Hist
 

Aqui, teus olhos enxergam
O caminho que sopro de dentro
Para chegar em tuas veias
Na profusão do encontro,
Início de passagens tantas
Ancoradouros então
Formaram-se
E o extenso tempo foi o que restou
Assim como quem observa o corpo-mar
Olho o teu lastro de palavras em júbilo
Da angústia ao contento
Do ocre ao escarlate
De tão poucas horas
Fez-se poesia!
Sem qualquer estranhamento
Teu amor sangra a pele viva
Copiosamente
Transforma vales e montes
Não deixa secar a fonte
Em teu espaço-tempo
Dar-te-ei reverência.

7 de fev de 2011

 
  ALGUMAS PALAVRAS DE AMOR

tela de Kees Van  Dongen


Elegi amores
Que não cabem em palavras poucas
Muito se despeja
Quando a medida do amor
É um espaço sem contorno,
Um esconderijo sem teto,
Sem chão,
Sem o primeiro
Muito menos o último degrau.


Elegi amores
Que não cabem no quarto escuro da razão
Apenas transbordam,
Como água de enxurrada,
Como lava de vulcão,
Como neve de avalanche,
Soterrando um coração em brasa!