4 de jul de 2011

O INFINITO PEDAÇO DE TODAS AS COISAS


Joan Miró

De tanto
Formou-se tudo em tão pouco
Pouco que era tudo
Coube na palma da mão
Então,

Para que o tanto absurdo,
Se o que constrói é apenas um grão?