30 de mai de 2011

    PAPO DE CINEMA                       

Já faz algum tempo que o cinema argentino me conquistou de um jeito especial, principalmente por causa da delicadeza de suas películas e das interpretações fascinantes de seus atores. Através do drama “Lluvia”, da diretora Paula Hernandéz, pude novamente comprovar a competência dos nossos hermanos no disputado universo da sétima arte.

O filme conta a história de duas pessoas perdidas em seus problemas familiares e que se encontram casualmente em meio a um grande temporal numa avenida movimentada de Buenos Aires. Esse encontro será uma verdadeira descoberta para Alma, personagem vivida pela atriz Valeria Bertuccelli e para Roberto, interpretado pelo ator Ernesto Alterio. Parece uma história banal do cotidiano, mas realmente é, porém transformada pela suavidade de olhares, gestos e palavras cheias de forte emoção. A identificação com as angustias apresentadas pelos protagonistas ocorrerá de forma natural por quem assiste, pois provavelmente já deixamos ou já pensamos em deixar alguma coisa para trás em algum momento da nossa existência.

A trilha sonora também é interessante e a fotografia é sublime, encantando sobretudo pela sutileza e harmonia estética das imagens. Ao ver o trabalho da Hernandéz, devo confessar que senti saudade da capital argentina e dos bons momentos que passei por lá, embora o meu sentimento maior fosse de contentamento por mais uma vez encontrar uma produção de alta qualidade no cinema sul-americano. Sei que a sensação provocada por um filme é relativa, pois irá depender sempre do momento e da sensibilidade de cada pessoa, no entanto, assistir o longa “Lluvia” foi uma surpresa tão cativante, que não saberia descrever a imensa alegria que me acompanhou ao sair do cinema e permaneceu no meu encalço até altas horas da noite.

Ficha Técnica

Título: Lluvia

Ano: 2008
País: Argentina
Gênero: Drama
Direção e Roteiro: Paula Hernández
Elenco: Ernesto Alterio, Valeria Bertuccelli
Duração: 110 min.