27 de mai de 2012

Georges Rouault


ESGRIMA

Se estiver amarrado às fragilidades de ontem,
Como irei assim dizer?

Se estiver mergulhado nas agruras de hoje,
Como irei assim fazer?

Assim, como quem leva nas mãos uma flor
Abro-me para peleja!

Amanhã, flutuarão as palavras
Que tentarei roubar do vento.