22 de abr de 2011

ENCONTRO

para Hilda Hist
 

Aqui, teus olhos enxergam
O caminho que sopro de dentro
Para chegar em tuas veias
Na profusão do encontro,
Início de passagens tantas
Ancoradouros então
Formaram-se
E o extenso tempo foi o que restou
Assim como quem observa o corpo-mar
Olho o teu lastro de palavras em júbilo
Da angústia ao contento
Do ocre ao escarlate
De tão poucas horas
Fez-se poesia!
Sem qualquer estranhamento
Teu amor sangra a pele viva
Copiosamente
Transforma vales e montes
Não deixa secar a fonte
Em teu espaço-tempo
Dar-te-ei reverência.