29 de mar de 2010

Maurice de Vlaminck



PASSOS NA CONTRAMÃO

... E de leve perdi o riso
Beijei a flor
Ao sentir a brisa
Afinal,
De quem será a brisa?
Tal como a nascente
Parte a sombra de quem não mais existe.

O tempo e o homem
Comovem,
Suas queixas desvalidas
São tão novas quanto à bruta pedra polida.

Dentro da gruta infinita
Escondo esta alma de bardo
Ou apenas um semblante estarrecido,
Ingênuo
E por que não alegre dizer?
Sério brinquedo
Acima de um abismo.

9 de mar de 2010

André Derain






















VÍCIO DI VERSOS

Vento sopra
Pedra rola
Ferro feri
Aqui
E ali.

Chuva cai
Traz o cheiro
Cheiro de pólvora
Cheiro de terra molhada,
Um cheiro outro qualquer.

Pena voa,
Que pena!
Bate no muro
Vira amargura
Aqui
E ali.

O lírio canta
A lira toca
Trova bonita
"Vício di versos"
delírio, delírio...

Vida passa
Cheia
Ou vazia
Prato raso
Raso dia
Luz apaga
Vive o breu
E sobre a mesa escura
Um papel rabiscado
Com palavras vadias:

Sonho,

Luta,

Amor,

Armadilha,

Tesouro,

Jardim,

Semente,

Soneto,

Promessa,

Corrente,

Beco,

Berro,

Alma,

Tudo.

Assim,
Ainda escreve
O poeta.