11 de mai de 2009


FLA-VITA

foto: Márcio Jorge


O olhar que procura o vértice
Avista claridades à frente.

Do caminho a descobrir
Seguem os olhos cheios de verde-mar
Corda presa ao monte
Subida além das tormentas.

De certo,
Fontes de água e flores,
Conchas no chão de areia
E cheiro do fruto benquisto
Na extensa planície de sonhos.

E desse tempo que agora oferece
A fresta certa
Para o feixe irresoluto
Nasce a morte das dores
Ausentes no cantar de amores,
Que atravessa mares e campinas
Ecoando distante
La bella
VITA
Em FLA maior.

poema dedicado à Flavinha.

2 comentários:

Paixão, M. disse...

que linda homenagem, márcio!
tão bem construída, e tão delicada :) adorei a brincadeira com a alcunha "FLAVITA"

muito fofo!

um abraço, e obrigada sempre pelas visitas muito gentis!

Amanda Julieta disse...

Que lindo poema!
Vi a Fla desenhada em teus versos, que lindo!
(E aí bateu a saudade)
Um poema cheio de delicadeza e vida...
Beijos da Mandita.